quinta-feira, 27 de setembro de 2007

{ o amor em teu } Formato Mínimo

Começou de súbito
A festa estava mesmo ótima
Ela procurava um príncipe
Ele procurava a próxima

Ele reparou nos óculos
Ela reparou nas vírgulas
Ele ofereceu-lhe um ácido
E ela achou aquilo o máximo

***

Os lábios se tocaram ásperos
Em beijos de tirar o fôlego
Tímidos, transaram trôpegos
E ávidos gozaram rápido

Ele procurava álibis
Ela flutuava lépida
Ele sucumbia ao pânico
E ela descansava lívida

***

O medo redigiu-se ínfimo
E ele percebeu a dádiva
Declarou-se dela o súdito
Desenhou-se a história trágica

Ele enfim dormiu apático
Na noite segredosa e cálida
Ela despertou-se tímida
Feita do desejo a vítima

***

Fugiu dali tão rápido
Caminhando passos tétricos
Amor em sua mente épico
Transformado em jogo cínico

Para ele uma transa típica
O amor em seu formato mínimo
O corpo se expressando clínico
Da triste solidão a rubrica
______________________________

Poderia ser considerado um bom conto.

2 comentários:

Vivi disse...

Pára tudo ! De quem é esse poema ? Esse texto ? Essa coisa que me fez babar no teclado ? :O
Jesus, Maria, José.
Caraca V., ficou perfeito *---*
Eu simplesmente amei V.
Acho que a realidade se reflete exatamente a isso.
V. eu amei, e acho que me inspirei.
:*

Srta Pecinha de Lego disse...

Bom, eu tinha feito um comentário enorme dizendo q eu amava essa música,. mas deu erro e eu to meio q com pressa, então...qndo eu voltar de viagem prometo q comento tudo...beijos!!! :D